[Fechar]



[Fechar]



[Fechar]



[Fechar]



[Fechar]

Competências profissionais no contexto da futurabilidade



Leila Navarro
Leila Navarro

As suas competências profissionais estão alinhadas ao contexto da futurabilidade? Ok! Talvez o termo futurabilidade pareça muito longe da sua realidade. Então vamos entender de outra forma. Como as pessoas vão se relacionar umas com as outras, com as questões sobre o meio ambiente, a sociedade, a educação, o mercado de trabalho, as novas tecnologias e exigidas em um cenário de mudanças cada vez mais aceleradas?

Essas questões estão intimamente relacionadas com a futurabilidade, que caracteriza o cenário ou a capacidade de viver na velocidade do presente, com visão para o futuro, sem perder a consciência do outro e do todo, e exerce um novo padrão de competências profissionais, pessoais, na carreira e nos negócios.


As competências profissionais na nova dinâmica do mundo

A dinâmica do conhecimento humano, das relações e dos negócios mudou. O futuro está cada vez mais encostado ao presente. Já não existe espaço para remontar o passado. Quem ainda não tem competência profissional e habilidade para vislumbrar e agir estrategicamente nos diversos cenários do mundo corporativo, deve ficar atento. O caminho vem se estreitando, mas ao romper as barreiras novos e promissores cenários vêm surgindo.

Enxergará o “além dos montes” quem se afinar aos novos padrões das competências profissionais que alicerçam a futurabilidade. Trazendo isso para o nosso dia a dia, até 2020 muitas profissões deixarão de existir e outras tantas surgirão. Com isso, saber qual é o futuro da sua área de atuação profissional e de que forma você terá que se adequar ao que vem por aí tornou-se vital.


Dicas para sobreviver às mudanças positivamente

As competências profissionais no contexto da futurabilidade implicam na capacidade de uma pessoa ter a sua saúde física, mental e emocional protegida dos riscos inerentes à velocidade e aos processos do sistema, ser capaz de lidar com as adversidades e diferenças, que seja assertiva, flexível, amável, resiliente e, ainda, saiba lidar bem com gente.

Como estudiosa comportamental, observei pelo menos cinco questões que nos conduzirão ao equilíbrio e à paz que cada pessoa deve exercitar no presente em direção do futuro e, certamente, o deixará mais bem preparado para compreender e sobreviver às mudanças positivamente:

  1. Sentido de vida – Quando temos claro o por quê da nossa existência, o nosso propósito, mesmo diante de uma circunstância difícil, temos mais competência e chances de entender cada oportunidade como aprendizado e definir novos rumos quando necessário.
  2. Autoconfiança – ;Uma criança desenvolve a autoconfiança a partir da confiança que os pais transmitem. Na fase adulta, à medida que vamos nos permitindo desbravar novos caminhos, desenvolvimento novas competências, percebemos que somos capazes e nos fortalecemos. Busque aí na sua memória quantos desafios você já viveu até aqui e conseguiu superar. Esse exercício deve se tornar uma constante e ao invés de criar barreira, vá desbravando novos caminhos.
  3. Autoconhecimento – Grandes pensadores já têm mostrado que a cada dia o exercício do sentir, fazer e pensar (e não o inverso) deve seguir essa sequência. Quanto mais você olhar para dentro de si e respeitar aquela direção quase secreta no seu íntimo, mais saberá sobre você mesmo e fará escolhas cada vez mais assertivas. Pratique a quietude e a auto-observação.
  4. Felicidade – O mundo do trabalho está em constante revolução silenciosa.Nesse contexto, a felicidade e o bem-estar são os resultados que se deve atingir com a Psicologia Positiva, um estudo científico do funcionamento humano, criado pelo psicólogo Martin Seligman. Seu principal propósito consiste na construção de competências, comportamentos e qualidades positivas, que são geradas a partir de uma atitude interior. Sem felicidade não há futuro. Essa é uma condição imprescindível para que possamos enxergar e viver um futuro que realmente valha a pena viver.
  5. Amar – Isso significa respeitar o outro como legítimo outro. E isso só tem sentido quando nos legitimamos com um legítimo outro. É a partir de nós mesmos, quando nos respeitamos como pessoa única, que conseguimos amar o outro. O amor descortina um aprendizado que se exercita e aprende. Ele não está no racional, flui dentro da gente.

Há quem diga que esses pilares são abstratos demais para serem encarados como alicerce da futurabilidade. Se é este o seu caso, faço um desafio. Imagine um mundo conduzido por robôs e tecnologia de ponta, centrado na era de uma nova revolução de conhecimentos. Onde você se encaixaria se não tivesse esses cinco itens para abrir um novo entendimento de vida? Fica aqui uma provocação.

Por Leila Navarro, palestrante
Autora de vários livros e uma das palestrantes mais requisitadas do Brasil, ministrando palestras em todo o Brasil e na Europa.
Associada e Conselheira da BPW-SP
.

Maio/2017

 

Retornar Artigos

 
Design by Immaginare