[Fechar]



[Fechar]



[Fechar]



[Fechar]



[Fechar]

Mulheres ultrapassam homens na criação de negócios no Brasil



Mulheres ultrapassam homens na criação de negócios no Brasil
(Morsa Images/Getty Images)

Relatório aponta que elas enfrentam mais obstáculos para prosperar


As mulheres lideram na criação de empresas no Brasil segundo o Global Entrepreneurship Monitor 2016pesquisa desenvolvida pelo Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae) e o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP). Elas respondem por 51,5% das empresas inauguradas nos últimos três anos e meio ante 48,5% dos homens.

Grande parte dessas mulheres (48%) afirma que criou o novo negócio por necessidade. As atividades das empresas delas estão concentradas principalmente nos setores de serviços domésticos (13,5%), beleza (12,6%), vestuário e acessórios (12,3%) e bufês (10,3%).

Embora representem a maior parcela das empresas criadas recentemente, elas têm menor participação nos negócios já estabelecidos. Os homens possuem 57,3% das empresas consolidadas no mercado, enquanto as mulheres respondem por 42,7%.

O sucesso do empreendedorismo das mulheres é duplamente exitoso, uma vez que elas encontram mais complicadores no desenvolvimento de seus negócios, conforme aponta o relatório: “As mulheres brasileiras conseguem criar novos negócios na mesma proporção que os homens; porém, enfrentam mais dificuldades para fazer seus empreendimentos prosperarem. Tal fenômeno pode estar associado a condições como preconceito de gênero, menor credibilidade pelo fato de o mundo dos negócios ser mais tradicionalmente associado a homens, maior dificuldade de financiamento e para conciliar demandas da família e do empreendimento“.

A disparidade de 14,6% entre os gêneros nas empresas estabelecidas já foi maior. Em 2009, o mesmo estudo apontou 25,4% de diferença entre homens e mulheres à frente desses empreendimentos. Desde 2010, no entanto, o indicador tem se mostrado relativamente estável, o que chama a atenção para a necessidade de programas de apoio às mulheres já empresárias.

Por Camila Bahia Braga

Fonte: Cláudia

Agosto/2017

 

Retornar Notícias

 
Design by Immaginare